Tag: Virtuais

Utilizando o Disk2vhd para converter discos físicos em virtuais

Fonte: http://alexfeleol.com.br/2012/05/15/utilizando-o-disk2vhd-para-converter-discos-fisicos-em-virtuais/

O Disk2vhd é um utilitário da família Windows Sysinternals que cria discos virtuais no formato VHD (Virtual Hard Disk) para serem utilizados em sistemas virtualizadores como o Virtual PC, Hiper-V, VMWare e Virtual Box.

A diferença entre Disk2vhd e outras ferramentas de física para virtual é que você pode executar Disk2vhd em um sistema on-line, pois o Disk2vhd utiliza a capacidade do Windows Snapshot Volume para criar instantâneos consistentes do tipo point-in-time dos volumes que você deseja incluir em uma conversão.

Você pode até utilizar o Disk2vhd para criar os VHDs em volumes locais, mesmo que estão sendo convertidas e em uso (embora o desempenho é melhor quando o VHD está em um disco diferente do que estão sendo convertidos).

A interface do usuário Disk2vhd lista os volumes presentes no sistema:

O Disk2vhd vai criar um VHD para cada disco/volume que você selecionou, sendo que ele preserva as informações de particionamento do disco, mas apenas copia o conteúdo de dados de volumes no disco que são selecionados. Isso permite que você capture volumes apenas o sistema e exclua volumes de dados, por exemplo.

Nota 1: O Virtual PC suporta um tamanho máximo de disco virtual de 127GB, então, se você criar um VHD a partir de um disco maior não será acessível a partir de um PC Virtual.

Para usar VHDs produzidos pelo Disk2vhd, basta criar uma VM com as características desejadas e adicione o VHD à configuração da VM como discos IDE. No primeiro boot, a VM ao iniciar um disco capturado do Windows irá detectar o hardware da máquina virtual e irá instalar automaticamente os drivers, se estiverem presentes na imagem. Se os drivers necessários não estão presentes, você deve instalá-los através do PC Virtual ou componentes de integração do Hyper-V. Você também pode anexar a VHDs usando o Windows 7 ou Windows Server 2008 R2 através do Gerenciamento de disco ou utilitários de disco como o Diskpart. (Veja como clicando aqui.)

Nota 2: Não junte ao VHDs no mesmo sistema em que você criou, se você planeja iniciar a partir deles. Se você fizer isso, o Windows irá atribuir ao VHD uma nova assinatura de disco para evitar uma colisão com a assinatura de disco VHD. Discos Windows possuem referências no banco de dados de configuração de inicialização (BCD), mediante assinatura de disco, então quando isso acontece Windows inicializado em um VM irá falhar para localizar o disco de boot.

Aqui está uma imagem de uma cópia do sistema Windows Server 2008 Hyper-V R2 executado em uma máquina virtual em cima do sistema que foi feito a partir do Disk2vhd:
Linha de Comando:

O Disk2vhd inclui opções de linha de comando que permitem que você crie scripts para a criação de VHDs. Basta especificar os volumes a serem incluídos em um instantâneo (snapshot) da letra da unidade (por exemplo, c:) ou usar “*” para incluir todos os volumes.

Sintaxe:

disk2vhd <[drive: [drive:]...]|[*]> <vhdfile>

Exemplo:

disk2vhd * c:\vhd\snapshot.vhd

Download:

Link para download do Disk2vhd: http://technet.microsoft.com/en-us/sysinternals/ee656415.aspx

Cuidado ao digitar senhas de teclados virtuais.

Cuidado ao digitar senhas de teclados virtuais.

Nesta semana, circulou pela segunda vez (pelo menos) uma mensagem atribuída à Verisign (veja uma cópia aqui), uma das maiores empresas de certificação digital do mundo, induzindo o usuário a instalar um falso certificado, cujo link estava disfarçadamente hospedado no provedor Kit.Net, da Globo.com. Obviamente, tratava-se de um arquivo maléfico, que posteriormente foi analisado pelo laboratório ACME! de segurança de redes da Unesp.

Segundo o resultado da análise, o arquivo “certificado_digital.exe” gera outro, de nome MSNBC32.EXE, que por sua vez cria um arquivo texto para guardar “os pressionamentos de teclas, bem como os títulos das janelas ativas”. Estas teclas são correlacionadas com snapshots (registros da tela) feitos ao redor do mouse. Outros arquivos “armazenam imagens de 25×25 pixels em 16 milhões de cores ao redor do cursor, quando o botão esquerdo do mouse é pressionado”.

Cada nova proteção é um incentivo para burlá-la. Ainda sobre segurança: bancos falham em proteger TI. Os bancos investem bastante em práticas e segurança de tecnologia. Mesmo assim, não é o bastante: 39% das maiores instituições financeiras sofreram alguma importante brecha de segurança no último ano.

notícia vista no Concatenum/